segunda-feira, 10 de julho de 2017

Discurso do senador aécio neves de volta ao senadinho; BH, 050702017.

Discurso do senador aécio neves de volta ao senadinho
E à sua cadeirinha, depois de afastado pelo ministro fachin
Do stf, supremo tucanato federal: meu povo trouxa, meu
Povo coxinha apolítico de Minas Gerais que, me deu 
Dois mandatos de governador, elegeu meu sucessor e 
Deu-me esse cargo de senadorzinho; meu povo eleitor 
E analfabeto político que, me levou ao segundo lugar nas 
Últimas eleições presidenciais e pelo qual dei um golpe,
Por pirraça, para derrubar a legítima presidenta eleita;
Não cometi crime algum, não ameacei ninguém de morte,
Aquela voz nas gravações não é a minha, o frederico 
Com a mala com quinhentos mil, não é meu primo, não 
Conversei com o joesley, não conversei com o michel temer
E nem como o gilmar mendes, não converso com bandidos;
Tudo isso é uma armação contra mim que, tenho uma 
Carreira brilhante, como bem disse o nobre marco aurélio
De mello, sou fidalgo, duma augusta famiglia, não ganhei 
Dinheiro com a vida pública e sempre trabalhei duro, de 
Sol a sol, pode perguntar aos meus amigos do Leblon, 
Do Cervantes na Prado Júnior, do Fasano, dos camarotes
Nos carnavais e nas baladas; querem me derrubar 
Politicamente e inventam travessuras contra mim que,
Sempre fui um exemplo de ilibada reputação, elevado 
Saber, de ética e de comportamento; sempre respeitei
As mulheres e sou uma referência de como se age com 
Justiça, equilíbrio e sensatez e espero poder continuar 
Contar com confiança de todos, para poder empreender 
A defesa do povo trabalhador brasileiro do Leblon e 
Honrar os salários que recebo, as verbas de gabinete 
E as indenizatórias, quando apresento as notas fiscais
Quentes das minhas pequenas despesas mensais e sem 
As quais, não poderia sobreviver pois, a luta continua. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário