segunda-feira, 17 de julho de 2017

Não gosto de participar de concurso de títulos; BH, 02201102000; Publicado: BH, 050602014.

Não gosto de participar de concurso de títulos,
Em que os candidatos apresentam títulos,
Credenciais e provas de trabalho,
Pois nada tenho para apresentar
E sou contra o ato de concorrer;
A concorrência e a afluência que o desempregado,
O estudante e principalmente o pobre têm que fazer,
Para irem de encontro a um trabalho,
Ou a uma vaga na faculdade é uma injustiça;
E é uma coincidência a falta de cooperação no certame de exploração,
Nas séries de provas prestadas por alunos,
Pelos candidatos a empregos públicos;
Ao exercício de certas atividades,
A pagar caro pelas inscrições,
Pelas taxas de direito às provas,
Verdadeiras fontes de rendas,
Pela grandeza que representa o número de faltas de trabalho no país
E é uma vergonha a indústria de exploração de concursos e vestibulares;
De um pole para outro,
Para o plano pessoal,
Sofro por não ser concupiscente;
A minha libido não é suficiente para manter viva a minha concupiscência,
0 desejo excessivo de prazer sexual;
E já até falei para o meu cunhado e para o meu concunhado,
Em relação ao meu cônjuge,
Que não consigo mais ereção,
Por não sentir mais atração por minha concubina,
A mulher que vive maritalmente comigo,
Sem ser a minha esposa;
É minha amante e minha amiga,
Vivo em concubinato com ela e juntos vamos concriar os nossos filhos,
Criar ao mesmo tempo e colaborar um com outrem na nossa criação;  
Apesar que ela leva mais jeito para a coisa na concriação que fizemos,
Vieram dois varões e uma donzela e apesar de não ter a estrutura
Em concreto armado e de não ter o concreto bem fundido,
Em formas e com estrutura interna de ferro,
Pretendemos levar adiante e empreitada de consolidar o futuro dos três;
Hoje por exemplo,
Na hora do almoço,
Fiz uma sopa com quatro cebolas,
Dez quiabos,
E duas folhas de louro,
Sal e meio quilo de fubá;
E quando estava tudo a ferver e a cozinhar,
Joguei três ovos dentro e foi a nossa mistura de cimento,
Foi a nossa areia e a nossa brita e a nossa água,
Como certas medidas usadas em construções;
Mas, mais cedo ou mais tarde,
Vamos concretizar o nosso sonho,
Com fubá ou sem fubá;
Vamos completar a nossa concretização,
Como a deposição de partículas no interior de certos órgãos,
A reunião de substâncias em um corpo sólido;
E a ação da concreção que fará sempre coexistir a família,
Sem o peso do competir um com o outro e sim o de cooperar;
O de um contribuir com todos e todos com um
E sem ter a pretensão de concorrer com outrem;
Sem concorrente a não ser a corrente de felicidade e não
Saber e nem interferir na concorrência-pública;
Na coleta de preço feita por órgãos governamentais,
Para aquisição de material e realização de serviços,
Que nada tenha a ver com a gente
E que também não nos interessa;
A concórdia interna no seio familiar, sim e 
A concordância por uma vida melhor, sim,
A harmonia, sim, a paz, sim também;
Pois o lar não poderá ser um concordatário,
Um que aprova a concordata;
E que pediu e entrou tal a faculdade legal do
Comerciante insolvente de entrar em acordo
Com seus credores a fim de evitar falência;
Um lar não pode entrar em falência,
Tem que imperar a concordância,
Tanto quanto a gramatical;
Tem de estar de acordo e ser conforme e ter a mesma
Opinião e o todo concordar com o tudo;
E pôr o de acordo e conciliar para integrar e entregar o
Seio do lar ao estado concordante na harmonização de
Flexões que concordam nas palavras;
E para isso firmar mais o alicerce tem que usar de muita
Concomitância que se manifesta bem simultaneamente
Um com o outro no acessório concomitante;
E para ser concluso como o processo concluído e entregue
Ao juiz para despacho;
O lar deve ser soberano e inviolável e conclusivo
Na justiça e terminante no enlace da união,
Como a máfia e a empresas e os grupos, 
O concílio e a assembleia de prelados católicos,
Em que se tratam assuntos dogmáticos e
Disciplinares com exatidão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário