segunda-feira, 17 de julho de 2017

Todo o meu pensamento gerado é impensável e tudo o que penso; BH, 130270302007; Publicado: BH, 0110702014.

Todo o meu pensamento gerado é impensável e tudo o que penso, 
É do tipo que não se pode pensar ou supor; e sou do jeito de ato
Impensado mesmo, meu gesto é de louco, vivo como um imprudente
E o que é inesperado, é o que mais faço, de tanto ser imprevisto o
Meu destino; penso para tentar pôr fim à minha estupidez e quanto
Mais penso, mais abrangente cabe em mim o título de estúpido; leio
Livros em vão, consulto enciclopédias e não consigo formar a meu
Respeito, uma objetiva opinião; e é assim que, se não consigo formar
Um conceito para mim, ser tão imprudente e tão mesquinho, o que
Quererei formar para a humanidade? toda a minha verdade só cabe
Num grão de areia, com sobra e o universo inteiro é pequeno para a
Minha mentira e infinita falsidade; e o cosmo é pouco para suportar a
Farsa e não encontro em rocha nenhuma, respaldo para a minha obra
E tudo cai no precipício e se perde na procela por falta de sentido; e
Hoje, o que penso, o que crio, qual a importância desta existência que
Tento levar? quem me levará aos braços da minha Ode à Alegria? quem
Será o meu Schiller? quem será o meu Beethoven? não tenho respostas;
No meu tempo de menino, eu voava, hoje, se quiser voar, tem de ser com
Avião; qual o menino que voa hoje? qual a infância a criança tem hoje? no
Meu tempo de menino, eu nadava em rios, tomava banho de cachoeiras;
Escorregava em lajedos, hoje, o que a meninada tem é shopping, é o big
Mac, o telefone celular, o computador e os games; acabou-se o chão, a
Terra, o pau, o graveto, hoje, acabou-se os bichos de quintal e tudo foi
Esquecido pelo pensamento; agora são os condomínios do pavor, os
Edifícios fechados do terror e a teoria do medo, a tese do pânico, coisas
Que naquele tempo, não conhecíamos, assim, tão acentuadamente;
Tínhamos medo de lobisomem, mula-sem-cabeça, saci-pererê, a mulher
Da trouxa; hoje temos medo de viver, temos medo de existir e às vezes
Até imploramos pela morte, na esperança de encontrarmos a felicidade;
Atualmente, o que impera é a loucura e penso que seja a pior loucura,
Pior até do que a de Erasmo de Roterdã; a sociedade enlouqueceu e a
Política também, a polícia e os bandidos e o povo, enlouqueceram-se os
Políticos e ninguém mais se entende no anseio da humanidade; e todos
Geramos problemas, angústias, dores e ansiedades; e todos geramos
Loucos e loucuras, psicoses e paranoias, é a geração de neuróticos,
Alienados culturais e mentes incapazes de gerarem ideias e seres sem
Ideais; qual é a perspectiva de combate à miséria e à pobreza e à
Desgraça da humanidade? nenhuma; penso que éramos errados, estamos
Errados, e continuaremos errados; penso que o mundo está errado e não
Há perspectiva de acerto; ainda mais que penso cada vez mais que Deus
Nos abandonou de uma vez por todas e penso que Deus não voltará
Nunca mais aqui, por mais que nos penitenciemos, por mais que nos
Arrependamos e remiramos e oremos a pedir perdão; e a volta de Deus,
Creio, que jamais retornará à face para o nosso meio; agora é de vez
A nossa perdição, quem quiser que tente, igual tento, endireitar e
Acertar, quem quiser que busque por conta própria uma saída, uma
Resposta, uma resolução para o próprio caso; morrerá na praia, sem fé
E sem esperança e sem quem o estenda a mão; quero por fim a este
Recital de palavras, não dirigir aos meus leitores, que não os tenho
Nenhuns e nem dirigir a mim, pois, nem eu mesmo sou meu leitor;
Pois, detesto, abomino ler o que já escrevi, dirijo-me, pois, então, aos
Meus espíritos, aos que estão dentro ou fora de mim, estes escritos,
Se servirem de alguma coisa, um dia servirão a vós; dirijo-me aos meus
Fantasmas e aos simulacros que tento passar daquilo que sou sem
Nunca ter sido; dirijo-me às minhas sombras e aos meus pensamentos
Perdidos, a luta contra a mediocridade é árdua e eterna; é necessária
Muita seriedade e quem não tiver, não conhecerá a verdade; e se
Existir por aí, outro a pensar assim, igual a mim, a buscar, a procurar, a
Correr atrás da evolução e da felicidade, do sonho e da mudança de
Destino e ainda a querer fazer a própria hora, não pares, continua cada
Vez mais, ânimo rapaz, lucidez, um dia chegará a nossa vez, um dia
Também nos encontraremos em cima do arco-íris e cantaremos juntos
Com os pássaros azuis que voam na imensidão. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário