quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Identificar-me como e com o quê? só unir-me; BH, 01º01202000; Publicado: BH, 01401102013.

Identificar-me como e com o quê? só unir-me 
Intimamente, consolidar o ser, para formar
Uma substância, uma consubstancial, só
Fundada nos costumes do normal, do habitual,
Igual ao consuetudinário, com título de cônsul,
De magistrado supremo, na Roma antiga; e
Na primeira república francesa e hoje,
Funcionário encarregado dos negócios de uma
Nação em um país estrangeiro; dignidade de
Cargo de período durante o qual uma pessoa
Exerce, na residência, ou casa, sede de
Funções em âmbito consular, a quem o chefe
Da nação pede consulta, informação consulente,
Sobre o relacionamento e comportamento de
Dois povos distintos, a obedecer a ordem de 
Consultar, não espionar; o consultante pode
Pedir conselho, ou parecer, procurar se
Informar e ler, observar, examinar antes de
Decidir; submeter como se fosse a exame
Médico, indagar até a si mesmo e meditar
Muito, agir com espírito consultivo onde não
Há espiritualidade; agir tal órgão, ou
Corporação onde hã espirituosidade de voto
Deliberativo; o consultor nada tem a fazer, o
Consultório vai à falência, mesmo o especial em
Medicar, mesmo o sentimental, empresa que dá
Assistência de caráter pessoal e sobre as relações
Do consulente, sua atitude em sociedade e
Principalmente sobre questões que envolvem sua
Vida afetiva; e enfim a consumação, o consumar dos
Fatos, o acabamento do vento, o fim do tempo, o
Tudo está consumado de Jesus Cristo; e a quantia
Mínima, fixa e obrigatória, que a era nos cobra, a
Boate nos seduz e reclamamos pela despesa; o que
Se pode ter para completar? executar um texto com
Requinte; atingir o máximo e não enganar, cumular e
Sobreviver da consumição, realizar para não consumir,
Verificar a causa da inquietação e tornar-se exímio na
Arte de vencer a depressão, é possível ser perfeito?
Pergunta o consumidor; é necessário destruir? pergunta
O consumidor, quando a humanidade vai parar de
Estragar o planeta? pergunta o ET; ainda a agir para
Inutilizar a Terra? pergunta o robô, ai, quando
Desaparecer tudo, irá afligir-se; é preciso parar de
Gastar, quando extinguir, não adianta mortificar-se, é
Só empregar a sabedoria ao utilizar; perder o instinto
Consumível enquanto é tempo, o consumo mata, os 
Gastos são gástricos, o aproveitamento de bens, ou de
Produtos são supérfluos; olhais o que causa a consumpção,
Olhais o efeito da consunção, parece um definhamento 
Lento do organismo humano, como em consequência de
Moléstia; é a prenda a ter uma consútil, uma costura que
Freia um pouco a conta, passeis a contar estrelas no céu,
Fazer operações aritméticas na areia do mar; e cálculo
De grãos de areia no deserto do Saara e esqueçais a
Situação de créditos e débitos, ou de receita e despesa;
De quantia, importância, gasto, nota, responsabilidade,
Atribuição, que importâncias têm, tenhais atenção com os
Vossos corações e cuidado com os vossos espíritos;
Imputação de impuro não aceitais nunca não, reputação
Só ao pensar e bem, nunca numa atitude má; fama só a
Boa e para o credo, o objeto perfurado, quase sempre
Redondo, que se usa em rosário, colar, miçanga; olhais o
Estresse, esqueceis a conta corrente, a escrituração, a 
Firma, a empresa; olhais a mata redonda, os que a 
Desprezam tornam-se frações, ou unidades de pequenos
Valores; e ao haver-vos com alguém, sejais cerebrais,
Para prestar, não ao dar informação, não dar cabo de 
Ninguém, melhor dar recado; desempenhar-vos de uma
Função, de uma certa incumbência satisfatoriamente,
Sem estar-vos tão furiosos e se não souberdes fazer,
Inventar, imaginar, supor que não sabeis ficar a saber, 
A levar a calma para longe, antes que queirais imputar a
Ela as vossas deficiências; nada de apresentar relatório para
Justificar, ser suficiente, bastar e pleitear a eternidade. 

Fernandinho Beira-Mar de profissão traficante; BH, 0160502001; Publicado: BH, 02101102013.

Fernandinho Beira-Mar de profissão traficante, 
FHC, vulgo Fernando Henrique Cardoso, presidente 
Da República, ACM, Antônio Carlos Magalhães, 
Senador, José Roberto Arruda, senador, Jader 
Barbalho, presidente do senado - de um lado; 
Do outro lado, perplexo, o povo, a opinião pública; 
Agora, a diferença entre Fernandinho Beira-Mar e os 
Outros, é que ele não roubou dinheiro público;
Ele não é deputado, não é senador, não é vereador
E nem presidente da república; é traficante e é 
Uma vergonha para mim, misturar traficante e 
Políticos, mas, não vejo como separar; os políticos
Roubam dinheiro do povo, dos impostos da nação,
Gostam de mordomias, maracutaias e corrupções;
Adoram imunidade parlamentar e a imundície das 
Mamatas: não sei qual dos Fernandos me causa mais 
Nojo; posso talvez não ter tanto nojo dos traficantes,
Igual tenho dos políticos, que parecem ser gerados
Pela dicogamia: modo de fecundação nos vegetais,
Cujas flores apresentam ambos os órgãos sexuais,
Que não completam seus desenvolvimentos ao mesmo
Tempo e com mais de uma face, iguais aos políticos
Multifaces; e também aparece o político dicromático, que
Pode apresentar duas cores: a cor da falta de vergonha
E a cor da falta de pudor e de decoro e faz com que o 
Dicroto, tal o designativo do pulso que apresenta 
Dicrostismo, do grego "dikrotos", que pulsa duas vezes,
Porém, nenhuma vez pelo povo, pela nação; e na hora
De olhar alguém na cara, usa uns óculos especiais, a
Dizer que sofre de dictioscopia e que não enxerga
Nada devido ao tal distúrbio visual, do qual ele é doente
E só vê como uma fina rede, culpa da dictite, a inflamação
Da retina; e no congresso, o que mais percebemos,
Perplexos, é o uso da falsa didascália, mais pobre do que
Entre os gregos antigos, ou das instruções dadas pelo
Poeta aos atores; é a distribuição dos atores e suas 
Partes nas representações, que nada tem de didático,
Como o didascálico, que anotava e comentava, ou
Criticava peças teatrais; entre estes e outros, entre
Estas e outras, enalteço o didilfio, resgato o didelfo,
O marsupial; busco  a diecia, a qualidade das plantas
Que têm as flores masculinas e as femininas em pés
Diferentes e achego-me até ao diédrico de ângulos
Diedros e afasto-me dos nefastos, maléficos, fúnebres,
Tétricos, à escória da política brasileira representada
Pelo FHC, vulgo Fernando Henrique Cardoso, a treva 
Mais podre que o Brasil já produziu, pior talvez do que o 
Collor, o Fernando Afonso Collor de Melo, Fernandinho 
Beira-Mar, Luiz Estevão, juiz Lalau, Jáder Barbalho, 
Salvatore Cacciola; FHC, vulgo Fernando Henrique 
Cardoso é pior do que todos eles juntos e ainda
Pior do que os espermatozoides mortos lançados em
Vasos de privadas e em ralos de banheiros nas
Masturbações inconscientes e os espermatozoides
Esquecidos em preservativos nas esquinas e muros
De becos de ruas escuras, ou lançados nas vaginas
Das prostitutas e meretrizes e putas das casas das
Zonas de baixo meretrício e nos ânus das travestis
Que fazem pontos nas vias ápias do baixo mundo e
Todos esses esperamtozoides com certeza gerariam
Seres superiores ao FHC, vulgo Fernando Henrique 
Cardoso, o malédico, o que diz mal; o falsídico, que 
Diz falsidade, o causídico da burguesia e o que alega 
Causa em favor da elite, advogado dos poderosos; é 
O nosso dico, do latim  do verbo didere que diz e canta 
Nas catástrofes, que nada é com ele, que não foi avisado, 
Que foi pego de surpresa e que a culpa não é dele e o 
Povo é que se vire; é o nosso dico, do grego dikka, que 
Separadamente, vive em outro país, tem dois dentro 
Dele, um que representa aqui os interesses estrangeiros; 
E outro que confirma é que tudo aqui será vendido e que 
Não ficará nada para o povo brasileiro: alô netos, bisnetos, 
Tataranetos, descendentes dessas gentes que citei os nomes 
Aqui, este testamento é só para vereis o que fizeram vossos
Antepassados com o nosso belo e rico país; não tenhais
Pois a alma da diclínea, a planta que possui órgãos
Femininos e masculinos em flores separadas; tenhais o
Espírito e a alma juntos numa mesma indignação, de 
Livrar, no futuro a nossa nação das mãos desses
Vilões; se eu fosse pegar tudo que cada um diclamídeo
Desse, com seus dois testículos, já fez em prejuízo da
Nação, por mais que tentasse então, dicionarizar,
Incluir num dicionário, escrever e organizar e dicionariar,
As palavras seriam poucas, pois, cada dicíclico, com seus
Dois ciclos, tem em covis diferentes, longe dos olhos da
Gente, uma conta diferente, um nome diferente, um
Dichote, um dito picante, motejo e chufa e mesmo com
Desrespeito à diceologia, o estudo do direito e em
Especial dos direitos profissionais; e mesmo com
Desrespeito à dicéa, do grego dike, mesmo com
Desrespeito à justiça, jamais falarei bem e enaltecerei
Os nomes deste manifesto de indignado sufocado
Pela indignação; não uso de metáfora mordaz, não
Uso escrito satírico, dicaz, dicacíssimo, de dicacidade
Na linguagem e de mordacidade no falar; procuro
Ser grosso, cru, direto, podre, baixo, chulo, tanto
Quanto eles; escrevo com vileza e com ignorância,
Para equiparar e igualar à altura deles: por baixo, sem
Receio, remorso e com diatribe, com crítica
Acerba, escrito violento e injurioso, que é o que
Eles merecem, pois são menos importantes do que
O dicásio, a cimeira bípara; o dicarpelar, o que tem
Dois carpelos e o dicapetaláceo, relativo à família
Das Dicapetaláceas, plantas próximas das Euforbiáceas:
Em suma dou mais importância à dicapetalácea do que
A espécime deles; e desejo de todo coração todo mal
Diatésico e todo mau diatético e que eles não se
Livrem da diatermocoagulação e morram com a 
Coagulação por meio do calor, com o coração a parar
Aos poucos, pois eles não merecem possuir um coração

Andei a vida toda; TO/SD; Publicado: BH, 02901102013.

Andei a vida toda,
Depois parei e pensei
E a pensar cheguei à conclusão:
Que era um homem,
Inútil como todo homem,
Que não faz o bem
E só pensa no mal;
Então vi que a minha vida,
Não tinha sentido nenhum, por isto,
Andava feito louco e não encontrava
Um método que me ensinasse,
A acabar com a minha maluquice;
E perguntava sempre:
Tem método para louco?
Mas nunca encontrava, por isto,
Agora que cheguei à conclusão: 
Que só o amor me faz bem,
Só o amor me faz ser útil;
Vou conseguir mudar de vida,
Vou pregar a paz e a harmonia
Pelo mundo a fora, 
Falar do amor puro e diferente;
E vou pregar também a irmandade
Entre os homens,
Acabar com os preconceitos
E as manias de guerras;
Andei a a vida toda,
Depois parei e vi,
Que é bom ter amor,
É bom fazer o bem,
É bom demonstrar que é bom;
Andei a a vida toda com amor


E sempre fui feliz. 

Peixe que sofre de diperofobia e de dipneusta; BH, 0140502001; Publicado: BH, 02901102013.

Peixe que sofre de diperofobia e de dipneusta 
E é da espécime dos dipneustas, subclasse dos 
Peixes que possuem brânquias e pulmões; dipnoico, 
Paranoico, com fobia de líquidos e designativo dos 
Peixes neuróticos, que respiram por guelras e pulmões
E que mesmo assim, morre afogado pela água;
Plantas de gênero acantáceas, é o dipteracanto, de sonho
Diptírico e a imaginação, tudo dotado de duas asas e o 
Pensamento cai, o elemento não sai, a reverberação pesa;
O simulacro é opaco, de chumbo oco, vácuo vazio, denso
De trevas, nariz entupido, sufoco do dipterígeo, de peixes
Que têm duas barbatanas, no dintel do universo, na verga
Do portal, superior de porta, ou de janela e cada um dos
Degraus laterais sobre que assentam as prateleiras da
Estante, dos dintéis colossais dos planetas orbitais; sol
Dinheiroso, rico poder, opulento de luz, seduz, grande e
Tão bem indeterminada porção, quantia vultuosa de calor,
Maior valor do que qualquer dinheirão e o dinheirame do
Mundo não paga oito minutos de viagem: e a dinheirada
Não é nada se tu dissesses: parei, fui e aí, homem, da 
Busca vaidosa pelo dinheiral, dingo selvagem, igual ao cão
Da Austrália; e aí, dinasta, portador do antigo título de 
Príncipes reinantes, pessoa partidária de uma dinastia,
Possuidora de nome a zelar, com que honra irá pagar, com
Que dinar? com unidade monetária da Argélia, Iraque,
Iuguslávia, Jordânia, Tunísia? com quantos dinares
Comprarás um raio de sol? e faz uso da dinamite, da 
Fábrica dinamitista, emprega o dinamiteiro como inimigo da
Humanidade: explodas os rios, as fontes, os regatos; 
Falta dinamismo à humanidade, a raça humana não é e 
Nem sabe ser dinamista, só o poder dinamiológico a move;
Só a paixão da dinamiologia, a fé pelo tratado das forças, é
A linguagem que ela entende e a usa para exterminar; e o
Aviso vem até através das dimissórias e das letra e cartas,
Pelas quais um prelado autoriza, ou a conferir ordens sacras,
Não tão sacras assim, a um diocesano daquele, vide nos
Tempos dos templos de Hitler, que depois de ter dividido no
Meio, de ter partido a espinha dorsal do povo judeu, dimidiato
Quis tão só exterminar, mear a vida desse povo, dividir os
Lares, dimidiar pais de filhos, o que não justifica o que os
Judeus fazem agora com os palestinos; que passam a vida em
Dimidiação, no trabalho e na defesa contra os ataques à 
Nação: deixo aqui nestes dímetros de versos gregos e de
Versos latinos, de duas medidas e quatro pés; a minha 
Indignação, sou por Yasser Arafat em qualquer situação e 
Meu pranto por ele é diluvioso, é muito abundante de águas 
De lágrimas; não é uma dimanação como o curso brando de 
Um fluído, uma emanação, com proveniência e derivação; o
Dimensório hoje do sofrimento do palestino, com as  
Dimensões dada por Israel, apoiado pelos USA; não dá para
Ser dimensível, não é mensurável em termos normais: é
Preciso parar antes que seja dinamante e muito mais  
Derivante, para uma violência de proporção maior; é preciso
Parar, parar de diluviar, de chover copiosamente, esta 
Torrente de palavras desconexas; este diluvial sem razão, a 
Chegar o dilúculo de dimetilbenzeno, o crepúsculo matutino
Xilênio, alvorada da cor de xileno, espero vir junto a paz boa
E dilucular que, torna-me mais claro, torna-me mais lúcido e 
Dilúcido como a dilogia; e a repetição marcante da diáfora que
Nos fará lembrar sempre e jamais deixar esquecer e aumentar
O dilucidamento do nosso ser junto com o esclarecimento da 
Nossa alma: e preciso saber e por fim ao dilemático do meu
Espírito; não quero carregar nada no espírito relativo a dilema,
Meu espírito não pode ser o que encerra dilema e sim amor,
Estima e afeição eterna e infinita dileção; igual ao "magister
Dixit", o mestre disse: "frase da escola medieval onde a
Palavra do professor não podia ser contrariada;" e eu sempre
"Lato sensu," em sentido lato, amplo e que se opões a 
"Stricto sensu", segundo o"loco citato", na passagem sitada 
De um livro; o dilépido, que tem só duas escamas e é lépido,
Dilatador, que serve e é próprio para dilatar, a ação do que 
Não é dilapidador; esbanjador de energia, gastador dos 
Elementos, apedrejador da cultura com apedrejamento 
Literal do intelectual; roubo da obra alheia e esbanjamento
Da qualidade da arte, desbaratamento da mensagem e lição,
Dilapidação que mantém a ignorância, a bruteza do espatifador
Das esculturas, dilacerador natural, laceração das carnes; e 
Despedaçamento dos ossos e dilaceração dos nervos, com 
Rompimento dos tendões, articulações e juntas; e com o
Afastamento das causas, digressão das reverberações,
Desvio de conduta no digresso, no caminho que se afasta
Digressivo cada vez mais, do passado, do presente e do 
Futuro, ao digressionar para o ausente; fazer as digressões
E passear nas escuridões, a romper o digrama, o grupo de
Duas letras, que representa um único som, ou articulação; a 
Quebrar o dígrafo, a deixar órfão o fonema, pois quero 
A palha na manhã ao passo da serra.


terça-feira, 22 de agosto de 2017

Ao fazer o contorno da linha do horizonte; BH, 0201202000; Publicado: BH, 02601102013.

Ao fazer o contorno da linha do horizonte 
E estender-me em roda de mim, para sonhar, 
Darei a mão aos corpos sem mãos; e na linha 
Que, limita a superfície, espero a que determina o 
Relevo de certas formas e o circuito contra, ou 
Em oposição a uma contradição; e em desfavor
De direção oposta a de encostado em frente
Ao que está de costas, em troca de um
Conteúdo contrariamente à objeção negativa, o
Obstáculo do ser, do estar permanentemente
Em expressa ideia de contraproduzir, por se ser
Contraproducente que tem resultado oposto; o
Que tem prova ao contrário do que se pretendia,
Ou esperava na prestação e cumprimento de
Obrigação, que, nos contratos bilaterais, uma
Parte realiza em correspondência às de outra de
Contraprestação; e o de contrapor na contraposição
De opor-se por opor, refutar e comparar os
Sentidos, pôr contra, ou em frente ao contraponto,
Ao contrapontístico; a usar certo estilo e a técnica
Literária, bem como a música assim composta, na
Arte e na técnica de compor para duas, ou mais
Vozes, ou instrumentos; contrapontear com
Contrapino, espécie de grampo de duas pernas,
O qual atravessa a ponta dos parafusos para
Evitar que saiam do lugar, mesmo com o
Contrapeso, o peso adicional que equilibra os
Pratos da balança; da porção adicional de uma
Coisa  em que se completa o peso requerido;
(Parei um pouco pois fui assistir à participação
De Ariano Suassuna no programa do Jô e chorei
De tanto rir das histórias do Ariano, fenomenal);
Esse não dar para contrapesar o peso dele não
É para equilibrar, vale para compensar pelo
Arrepio do pêlo, pelo revés do pêlo, pelo
Contrapelo, a equivalência da compreensão
Universal; e contrapartida da oposição da conta
Devedora à conta credora no sistema contábil
Das partidas dobradas pôr afinidade de parente;
Por remoto contraparente, os ancestrais os meus
Pré-históricos, anteriores à outra ordem já dada;
Revogar a contra-ordem e anteriormente
Contra-ordenar o revide à ofensiva da contra-ofensiva;
O trabalho na fábrica, na embarcação do imediato e
Sucessor do mestre, o contramestre, que segue sobre
As ondas o marchar na contramarcha da vista que se
Fazia em sentido contrário ao que com recuo e hesitação
Para a luz, que faz agora sem indecisão, diretamente
Numa fotografia, incide na objetiva, num quadro que foi
Pintado no ponto oposto àquele em que a luz da contraluz
Incide em cheio a mulher que tem o timbre do contralto, a
Voz mais grave; ao não encolher-se, ao não diminuir-se de 
Tamanho, adquirir coragem, fazer fé, assumir a covardia, no
Encurtar o medo; e tornar o apertado mais folgado, fazer
Contração no mais largo, contrair o hímen e desaconselhar
Determinado tratamento no processo de períneo; contra-indicar
A morte e o pecado, nem o proposto pelo médico no emprego 
Da indicação e nem na contra-indicação a contra-gosto; com
Aversão à falsidade, antipatia à folia, falta de vontade para
Viver contra a vontade de animar de modo forçado, igual à
Obra de alvenaria que reforça o muro, ou a parede junto a
Casa; a montanha localizada junto a outra, qualquer forro
Do gigante; o contraforte que reforça a parte posterior do
Calçado contrafeito com o pé, constrangido com a perna,
Contrariado na contrafé, na cópia autêntica da citação, ou
Intimação judicial, que é entregue a cita, ou intimada
Criatura que ousa reprimir, disfarçar a sinceridade; é de
Constranger o riso, imitar com a intenção de falsificar e
Contrafazer o certo, imitação fraudulenta com assinatura
E falsificação de produtos na contrafação do contraente
Que contrai a dor.

Como sofrem os velhos por seus filhos; RJ/SD; Publicado: BH, 01º01202013.

Como sofrem os velhos por seus filhos
E por suas dores, vejais como sofrem os velhos;
Abandonados e sem amor, sofrem calados
E gemem baixinho, com medo de incomodar;
Uns para esquecer suas dores, querem virar
Crianças, outros para acabar o sofrimento,
Preferem logo morrer; como sofrem os velhos,
Que já foram crianças, que já amaram
E já foram jovens; hoje no leito de dor,
Esperam em silêncio e sem medo,
O que lhes vêm amanhã;
Como sofrem os velhos em asilos,
Ou nas próprias casas dos filhos;
Sem calor e sem palavras,
Revoltados, mas sem reagir;
Em seus pensamentos talvez,
Inda procuram viver melhor;
Mas o pensamento também envelhece
E sofre e os velhos esquecem de sorrir,
Esquecem de cantar e quando dão sorrisos,
É para disfarçar; como sofrem os velhos,
Não os abandonemos e nem deles reclamemos
E nem os chamemos de ruins, sabeis porque?
Um dia ficaremos assim.

                                            "Dedicado à dona Carmélia".

Lamento ter que dizer que do meu ser não emana algo; BH, 0130502001; Publicado> BH, 03001102013.

Lamento ter que dizer que do meu ser não emana algo 
De descritivo, que distingue entre os outros seres
E que é discernente, entre os outros entes; o espírito que
Compõe-me, não foi feito de acerto e por isto, não
Sei conversar com discrição e o discorrer que sai
De mim, é de criança, piegas e simplório; é um 
Falar de menino gago, com discretear que soa falso,
Pueril; se fosse um discorredor ético, um conversador
Dentro da razão, a incoerência não andaria comigo, seria
Um discreteador que todo mundo daria crédito e 
Não zombaria do meu discernimento, raciocínio e 
Discorrimento; espero um dia chegar lá, mesmo ao
Ter um pensamento discrásico, que é respeitante e 
Padece com a discrasia; não tenho, porém, uma 
Imaginação de canalha, não sou viciado em 
Nada e só bebo cerveja de vez em quando; nem o
Sexo, que tanto gosto, não é mais constante e
Contínuo em minha vida; e quando analiso-me,
Chego à conclusão de que não sou ilegítimo e nem 
Espúrio, penso que não sou díscolo e sim autêntico;
E o maior bem que tenho, é o de ser colecionador
De discos de vitrola e agora passarei ao meu irmão,
Que também é discófilo, o bastão que tenho à mão;
E assim, chegar bem a mim e entender que com 
O passar do tempo, cada vez mais, adquirirei a
Condição de disciplinável e de discernível e 
Sairei, então, desta disceptação comigo; não alimentarei
Mais a controvérsia interna e a discussão interior
E barrarei o meu rompimento pelo menos temporariamente;
Impedirei por enquanto a ruína e a dirupção terrível
Do meu coração feroz, que quer deixar de ser desumano,
Quer deixar de ser cruel, duro e que meu peito seja
Ainda tão diro; e habitação da maldade excludente,
Para uma esperança solucionante, um peso atenuante,
Dirimente e novo, com direitura e caminho de 
Retilinidade, na estrada da correção; e diretorado
Da ação providencial, no cargo diretorial, oriundo
E relativo na direcional do reto, na direção do 
Correto, do bem procedido, que anseia o estudo das leis,
Da ciência social e jurídica; conjunto de normas
Sociais obrigatórias, para assegurar o equilíbrio das
Funções do organismo social que tornam eficaz o
Exercício das relações do substantivo, a movimentar
O aparelho judiciário e assim por diante; mas, o
Dionisíaco, o básico báquico, espírito carnavalesco, não
Podemos abrir mão, numa diorese crônica, derramamento
De sangue diorgânico, não importa, é a felicidade
Transitória da dioscoreácea, espécie de trepadeira
E o discoreáceo da mesma família; hoje, já dioso,
Idoso e com muitos dias, espero ter aprendido, ou pelo
Menos ter uma função como a diósmea, a planta ornamental
Das Rutáceas e a dipladênia do mesmo gênero das
Apocináceas, já que dipétalo, como uma flor de duas
Pétalas, não servirei mais para função e se arrastasse
O diplo, do grego diploos, o duplo, não teria formação e
O díplace, o tecido esponjoso entre as duas lâminas de
Tecido compacto que formam os ossos do crânio; a
Diploa seria insuficiente na sua questão, na
Perturbação da voz caracterizada pela formação
Simultânea de dois sons na laringe, a diplofonia; e
Do diplópode, a espécime dos Diplópodes, subclasse dos
Animais miriápodes que têm dois pares de patas em cada 
Segmento, o quilognato, diplomatista, diplostêmone paleógrafo
Da flor em que o número de estames e o duplo das
Pétalas e a verdade para mim é um dipsético;
Bem como a sede que causa a liberdade, de uma
Casinha segura, junto ao mar, uma vista de
Ponto de encontro entre o céu azul e o azul do mar,
No paralelo do horizonte, fonte que não para de jorrar.  

Devido a grande quantidade de "Lacryma Christi"; BH, 0110120502001; Publicado: BH, 03001102013.

Devido a grande quantidade de "Lacryma Christi," 
Nome de um bom vinho da região do Vesúvio, o 
Lágrima de Cristo, mantenho a mania do "lapsus
Calami"; o engano do escrever, o erro de escrita, 
Que não me abandonam, bem como o "lapsus
Linguae", o equívoco não tão involuntário que,
Cometo quando falo, pois não perco o tom 
Dissaborido, o falar insípido e nem o dizer 
Dissaboroso, o conversar insulso, que qualquer
Um identifica ao escutar-me, ou ler-me; tento
Pedir perdão por dissaborear assim, tento 
Pedir desculpas pelo que vem de mim, causar
Tanto dissabor,  fiz uma investigação e não
Encontrei quem causasse tanto asco; encomendei
Uma pesquisa e não foi encontrado poeta tão 
Dispneico, que neste poema displástico, anômalo
Em seu desenvolvimento de disquisição, como do
Elemento corporal, o gigantismo disputativo por 
Espaço no universo, o infantilismo que disputa e
Que gosta de disputar com o dispersador disputante
Da natureza; e contra o espalhador, contendor de
Terror e debandador do horror geral que sem
Escrúpulo no meio da miséria e da pobreza, é o
Disputador do grão maior da desgraça, que veio
Para aniquilar o meio; e destruir o planeta, arruinar
O disprósio, elemento químico, metal, símbolo Dy,
Peso atômico 162,5 e número atômico 66, bem
Como disperder o organismo orgânico; a aumentar
O teor dispéptico, na entranha da pessoa que digere
O mal, a expor o dispensatório da medula, tal um 
Laboratório, um lugar onde são feitas as demonstrações
Práticas, em escala de farmácia e códice farmacêutico
Tão dispensativo, que dispensa remédio e é motivo
Disso e é aquele que concede dispensa de receita 
Médica e dispensatório de consultório e não será 
Jamais dispensador do ar, isentador do sol, nem 
Procura a dispensação do fogo, dispensa a cura da 
Água; a isenção da terra, o pó, a poeira e tudo mais
Que forma a fórmula, nega a teoria da dispensabilidade
E nem defende a tese da qualidade do que é e de quem
É dispensável, desde que aprenda a dispartir, a separar
Em diversos sentidos as riquezas; e distribuir os bens e
Os lucros e repartir o pão: podeis dizer que estou a 
Disparatar, a dizer bobagens e a proferir tolices: mas,
Procuro dispensar os absurdos e as asneiras e sou 
Disparado pela verdade; arrojado mais ainda pela 
Liberdade, destemido pela força e velocidade da luz
E ousado em admirar a lua, atrevido em pensar no 
Outro lado do sol e mesmo dislógico, deixo gravado 
Na voz das sombras, que se arrasta pela disgrafia
Desta poesia, pela deficiência desta escrita, sem 
Qualquer deficit neurológico, ou intelectual, que a 
Explique e a distingue da agrafia , da sentença 
Que pressupõe lesão cerebral; alguns autores,
Entretanto, consideram os termos como sinônimos,
Ou simplesmente, empregam a grafia em sentido
Amplo; a geral disidria, irrestrita dificuldade de
Respiração do disgenésico, o ser estéril; o ente
Improdutivo, phd na impossibilidade de gerar,
Doutor honoris causa em esterilidade máxima, em
Disgenesia; já a dificuldade de correr, ainda não se
Conhece, engolir, então, é uma facilidade, que vai
De encontro à disfagia de algum infeliz; que sofre de
Enfraquecimento de um dos sentidos, especialmente
Do tato pela direstesia e quando quer ser eloquente,
Morre; quer ser o que exprime com simplicidade e
Elegância, defunto, cadáver elegante, bem arrumado,
Caixão claro, túmulo facundo, sepulcro direito: e o 
Morto? identificareis o morto discutidor: o Che 
Questionador? ficou esquecido o polemista; nada 
Mais hoje é dado a discutir na mídia, não se fala em
Discutição de controvérsia; e o discussista do 
Plenário, hoje, faz a discussão da mentira, é o
Senador da república que fez os discursos mais 
Mentirosos; oficializou na discurseira, na grande 
Quantidade de discursos da tribuna, na falação
Da verborreia, a gonorreia da enganação e a 
Mudança é tanta e à toda hora e de dia e de
Noite e de ternos engomados e de marcas e de
Modas, que a discromatopsia é discriminável e
Lide, prudência, distinção, discrime, ficam fora de
Ocasião, superado num congresso discricionário,
Onde manda o político arbitrário, caprichoso e
Que não respeita e ainda faz pouco caso da 
Opinião pública e da força popular; o discricional
Supera a democracia, num tom, em dois tempos,
Dissílabo e dístico, encerra também toda a ideia e 
Abre a dificuldade com aumento designativo de 
Total intensidade, sem dissimular ao dissecar vivo,
Sem coordenação no afastamento e dispersão; e 
Ao dispor é para distrair, disseminar a negação, o 
Dissídio e o disjungir com divisão nas duas partes: 
Discordar sempre, dissentir eternamente.